quarta-feira, 30 de junho de 2010

A divisão e o Declínio do Reino de Israel (1 Reis/Caps. 12-22)


O autor do livro de Reis relata os reinos dos reis de Judá e de Israel, destacando as seguintes características: o caráter do rei, o tempo que reinou, os nomes dos profetas mencionados em conexão com seu reinado, e os acontecimentos principais de seu reino.

Cronologia de Reis
JUDÁ
ISRAEL
Roboão
Jeroboão
Abias

Asa
Nadabe

Baasa

Elá

Zinri
Josafá
Acabe
Jeorão
Acazias

Obs.: não há um consenso quanto à cronologia correta dos reinados devido a cada rei contar um período de seu reinado de forma diferente. Alguns contavam a partir de sua coroação outros após o primeiro ano de reinado.

O escritor do livro de Reis ainda é indeterminado. Acredita-se que Jeremias tenha compilado os registros escritos por Nata, Gade (1 Cr 29.29) e outros.
O período monárquico dura +/- 4 séculos.
O reinado se torna tumultuado desde o reinado de Salomão (971 a.C) até a prisão de Joaquim na Babilônia (562 a.C).
Os fatos narrados no livro de Reis não são apenas história política da monarquia é uma interpretação profética de como cada rei afetou o declínio espiritual de Israel e Judá. (8.33-34; 11.6,9-13; 13.34; 14.14-19; 18-39; 19.18)
Exemplo: Onri foi um dos reis mais importantes na história do Antigo Oriente próximo, mas seu reinado é mencionado em poucos versículos (1 Rs 16.23-28). Muito mais se diz acerca de seu filho, Acabe.
Os rei foram avaliados com base na fidelidade ao Senhor.
O povo é considerado responsável por seus atos. (1 Rs 11.9; 14.22)
Deus é retratado como Senhor soberano na história. Os profetas eram porta-vozes de Deus que anunciavam a ascensão e queda dos reinados (1 Rs 11.29-32; 13.1-4; 16.1-7; 20.13, 28; 22.13-28)
Deus é fiel. Deus conservou sua promessa a Davi mesmo quando o rei de Judá pecava. (2 Sm 7.16; 1 Rs 11.31-36; 15. 3-5; 2 Rs 25.27-30)
O Senhor foi fiel a seus profetas que anunciavam sua mensagem enfrentando perigos. (1 Rs 19.3-4, 18; 22.24-28)

Valor ético e teológico

Em 1 Reis, a exemplo de Deuteronômio, o autor alerta contra o perigo de esquecer de Deus em tempos de prosperidade. Os fatos revelam o poder da Palavra de Deus na construção da história, a coragem daqueles que, como Elias mantiveram o coração ligado a Palavra de Deus. Em 2 Reis, a apostasia continua a cada rei que se levanta. Muitos se destacam por praticar maiores atrocidades tanto sociais quanto espirituais, outros poucos buscam com humildade ao Senhor e implantam profundas reformas religiosas. O segundo livro de Reis dá continuidade ao declínio apresentado no primeiro livro, e se desfecha no juízo de Deus com o cativeiro de Israel e posteriormente a queda de Judá. Embora, os exemplos sejam negativos, eles demonstram que Deus não se mostra indiferente aos acontecimentos históricos e que Ele interfere promovendo a sua justiça.

1 comentários:

Mariana disse...

Fiquei curiosa sobre o rei Onri ser menos mencionado que seu filho. Fui procurar e no verso 27 de I Reis 16 diz q a história dele está contada em Crônicas mas não achei.
Muito bom o texto. Parabéns.
E a parte que diz do perigo de esquecer de Deus em tempos de prosperidade falou ao meu coração!
Obrigada pela palavra.
Mari

Postar um comentário

Test Widget